História 21 janeiro 2018
2018 é o Ano Europeu do Património Cultural | Foto: D.R.

Doze meses para celebrar um património comum a todos os europeus

Por Dora Resende Alves* - Universidade Portucalense Infante D. Henrique

Dos locais arqueológicos à arquitetura contemporânea, dos castelos medievais às tradições folclóricas e às artes, o património cultural da Europa está no centro da identidade coletiva dos cidadãos europeus.

O Ano Europeu de 2018 destaca esta riqueza do património cultural da Europa, salientando o seu papel na promoção de um sentimento partilhado de identidade e na construção do futuro europeu.

Desde 1983 que, anualmente ou de dois em dois anos, a União Europeia (UE) escolhe um tema para celebrar e, assim, sensibilizar os cidadãos e chamar a atenção dos governos nacionais para as questões com ele relacionadas.

Por muito diversos que sejam os temas escolhidos, eles são sempre o reflexo de preocupações das organizações europeias e dos Estados-Membros.

Ora, o património cultural é uma fonte de crescimento e de emprego. Milhões de postos de trabalho na UE estão indiretamente ligados ao património e milhares de pessoas trabalham no setor do património cultural da UE.

Por essas razões, e também porque alguns dos tesouros do património cultural estão atualmente ameaçados ou a ser destruídos deliberadamente em zonas de conflito, a Comissão considerou que o património cultural merecia um ano europeu em 2018.

Trata-se, afinal, de um tema muito caro à União Europeia. Entre os objetivos da UE conta-se a promoção dos valores dos seus povos (aí se inclui o respeito pela riqueza da diversidade cultural, bem como a salvaguarda e desenvolvimento do património cultural europeu) e, nas políticas a desenvolver pela UE, está consagrado o incentivo da diversidade cultural (e, de novo, o património comum é evidenciado).

Os anos europeus têm-se revelado um instrumento eficiente no que diz respeito a posicionar alguns assuntos no topo da agenda da UE. O nível alargado de participação num período de tempo definido mobiliza o sistema político no sentido de assumir compromissos para divulgar, debater e transmitir ideias sobre um tema específico. Estes anos temáticos são, ainda, uma forma de focar as atenções internacionais num determinado tema. E as celebrações podem ser, e são cada vez mais, promovidas pelos poderes nacionais como meio de dinamizar eventos e realizações que, sem dúvida, comportam vertentes económicas.

A escolha de 2018 como Ano Europeu do Património Cultural é, portanto, uma forma de aperfeiçoar o conhecimento e a difusão da cultura e da história dos povos europeus, e de promover o acesso ao património cultural reforçando a sua dimensão europeia.

Cada ano europeu é objecto de uma campanha de sensibilização a nível europeu e a nível nacional, nos países visados. O mesmo acontecerá neste Ano Europeu do Património Cultural 2018, em que serão organizados uma série de eventos sobre o tema escolhido.

Podes ir acompanhando o que acontece neste Ano na página oficial criada para esta celebração. 

(*) Publicada ao dia 20 de cada mês, a rubrica "História e Europa" é dedicada às ideias e aos protagonistas do projeto europeu. Resulta de uma parceria entre o Instituto de História Contemporânea da Universidade de Lisboa (IHC - UNL) e o Jornalíssimo e tem a coordenação científica de Isabel Baltazar e Alice Cunha, doutoradas em História pelo IHC-UNL.

e-max.it: your social media marketing partner
Escrito por Jornalissimo
Voltar